Ego Wars: A academia contra-ataca

Ah, o Oscar. A noite que todos os fãs de cinema esperam simplesmente para aporrinhar  a academia. Mas dessa vez, ela deu motivos.

É meio ridículo pensar no Oscar hoje como um prêmio realmente válido em questão de qualidade. O cara que ganha geralmente não é o cara que tem o melhor filme, e sim o cara que tem mais amigos, mais contatos. Uma prova claríssima disso, foi o Oscar de 2010: Guerra ao Terror matou os bonecões azuis de James Cameron, fazendo o cara perder pra ex-mulher na frente do mundo todo. Não estou dizendo que Avatar é melhor que o filme sobre os desarmadores de bombas, muito pelo contrário, mas o ponto é que  quantos filmes foram influenciados por Guerra? E quantos pelos Smurfs de Cameron? A industria já sabia disso naquela época, enquanto Avatar era filmado todas as empresas já estavam com os olhos no novo 3D milagroso do diretor de Titanic.

Mas tem um ponto muito importante aí, o cara se auto denomina “Rei do mundo”. Quando Cameron veio ao Brasil em 2010, tive a oportunidade de tietar o homem, e uma coisa tenho a dizer: ele é mala. Enquanto o elenco do filme foi super simpático, tirou fotos e conversou comigo, quando eu perguntei se ele podia parar por um segundo, ele me respondeu um simples “I’m sure that I don’t have time for this” (Com certeza eu não tenho tempo pra isso). Não estou dizendo que sou importante bagarai então ele devia ter parado pra falar comigo, não é isso. Só que será que ele é assim só com os fãs? O que eu estou querendo dizer é: se você não tiver cuidado, você cria inimigos dentro da academia, e tem coisa pior do que tomar pau da ex-mulher? (E convenhamos, ninguém caiu naquela de que ele estava torcendo por ela né? Bitch, please!)

Se você ainda não entendeu meu ponto, vou tentar explicar de maneira quase que minimalista como funciona a escolha dos vencedores. A academia é composta por várias pessoas, de diversas áreas que trabalham, ou já trabalharam na  indústria cinematográfica. Essas pessoas votam em cada categoria, os votos são contabilizados e  é registrado o vencedor, lindo né? Não. O problema é que as pessoas que trabalham com cinema não tem tempo de ir ao cinema. Pode parecer paradoxo mas é a mais pura verdade. Então os votos vão sempre para os amigos, para os filmes bons que eles conseguiram arranjar um tempo pra ver, ou para os longas e curtas que fizeram uma premier em Paris com tudo pago e champanhe caro à vontade.

Bom, mas o ano de 2010 foi só um exemplo, em 2012 não faltaram situações iguais, ou eu preciso realmente comentar o caso Muppets vs Rio? Ou até mesmo em 1976, quando Spilberg não foi indicado a melhor diretor por Tubarão, como o vídeo abaixo escancara a indignação do dono do E.T..

 

A única coisa que eu tenho a dizer é que é uma pena, um prêmio que tinha tudo pra dar certo, com o apoio de uma das maiores indústrias do planeta, acaba tropeçando nos méritos por conta dos egos. And the Oscar goes to…. hope, just hope.

O Cálice: Mexa-se

Olá, boa noite. Hoje falaremos de política, blablablawhiskassacheblablabla… Tenho certeza que você parou de ler depois da palavra “política”. Ela choca, né? Mas não se assuste, pessoa, aqui você vai começar a adorá-la, believe me!

Sabe aqueles momentos em que alguém puxa este tipo de assunto e você só concorda porque não faz idéia do que estão falando? Esses tempos mudaram ,meu querido Vera, agora você vai opinar, criticar, acrescentar e discordar do que disserem, talvez você perca uns amigos por aí, mentira, seus amigos vão te idolatrar e sempre vão querer saber o que você pensa sobre esta palavra maldita: política!

Sabe o que mais você vai começar a fazer? QUESTIONAR, pois é, questionar, e é isso o que os governantes temem: pessoas que questionam. Pessoas deste tipo provavelmente já têm os olhos bem abertos ao que ocorre na política brasileira e sim, elas começam a se mexer contra isso.

Protestar é um direito do cidadão brasileiro, pois vivemos em uma democracia não muito democrática diga-se de passagem, todos nós podemos sair às ruas para buscar o que nós achamos que seja certo! Hoje mesmo, em São Paulo, ocorreu um protesto pela diminuição da passagem do ônibus, não somente pela diminuição, o protesto levou a ideia do “passe livre”, já que ir e vir é um direito de todos e não deve ser cobrado. O serviço de ônibus é terceirizado, ou seja, uma empresa contratada pela prefeitura presta este serviço, explicando, então, a cobrança da tarifa de ônibus, visto que a empresa não presta este serviço de graça, mas e se os ônibus e seus serviços ficassem somente a cargo da prefeitura? não precisaria ser cobrado, né?  já que pagamos impostos demais! Este foi outro item mencionado no protesto.

O protesto, que foi organizado pelo facebook, começou na porta da prefeitura de São Paulo e foi até a porta da Secretaria de Transportes, a caminhada foi embaixo de chuva e feita em meio a muitas músicas e mensagens de conscientização, tinha cerca de 150 pessoas, apesar de não ser um grande número, fizemos barulho! Estou rouca, não conseguia mais gritar, mas mesmo assim continuei, todos continuaram. A polícia esteve presente o tempo inteiro, mas não se manifestou, observava e tentava controlar o trânsito por onde passávamos, o que foi um alívio, já que eu não estava afim de tomar bala de borracha! Hahahaha.

É muito emocionante estar no meio de um protesto, ainda mais quando é por algo que é pela melhoria de todos, sério, arrepia! Você olha pros lados e vê uma galera gritando contigo e pensa “não estou sozinho, tem gente que está vendo o que acontece, vamos fazer tudo valer a pena”. Bom, espero que realmente valha a pena, pelo menos estamos fazendo a nossa parte, e pode ter certeza de que os governantes se sentem incomodados quando vêm algum tipo de mobilização. E você? está começando a abrir os olhos? Se empolgou para ir ás ruas em busca do que é seu por direito? Consegui fazer uma luzinha se acender aí dentro? Espero que sim, pois este é um dos objetivos desta coluna. Se você se sente parte de algo importante e quer fazer a diferença só digo uma coisa: mexa-se.

Galera rumo à Secretaria de Transportes