Ego Wars: A academia contra-ataca


Ah, o Oscar. A noite que todos os fãs de cinema esperam simplesmente para aporrinhar  a academia. Mas dessa vez, ela deu motivos.

É meio ridículo pensar no Oscar hoje como um prêmio realmente válido em questão de qualidade. O cara que ganha geralmente não é o cara que tem o melhor filme, e sim o cara que tem mais amigos, mais contatos. Uma prova claríssima disso, foi o Oscar de 2010: Guerra ao Terror matou os bonecões azuis de James Cameron, fazendo o cara perder pra ex-mulher na frente do mundo todo. Não estou dizendo que Avatar é melhor que o filme sobre os desarmadores de bombas, muito pelo contrário, mas o ponto é que  quantos filmes foram influenciados por Guerra? E quantos pelos Smurfs de Cameron? A industria já sabia disso naquela época, enquanto Avatar era filmado todas as empresas já estavam com os olhos no novo 3D milagroso do diretor de Titanic.

Mas tem um ponto muito importante aí, o cara se auto denomina “Rei do mundo”. Quando Cameron veio ao Brasil em 2010, tive a oportunidade de tietar o homem, e uma coisa tenho a dizer: ele é mala. Enquanto o elenco do filme foi super simpático, tirou fotos e conversou comigo, quando eu perguntei se ele podia parar por um segundo, ele me respondeu um simples “I’m sure that I don’t have time for this” (Com certeza eu não tenho tempo pra isso). Não estou dizendo que sou importante bagarai então ele devia ter parado pra falar comigo, não é isso. Só que será que ele é assim só com os fãs? O que eu estou querendo dizer é: se você não tiver cuidado, você cria inimigos dentro da academia, e tem coisa pior do que tomar pau da ex-mulher? (E convenhamos, ninguém caiu naquela de que ele estava torcendo por ela né? Bitch, please!)

Se você ainda não entendeu meu ponto, vou tentar explicar de maneira quase que minimalista como funciona a escolha dos vencedores. A academia é composta por várias pessoas, de diversas áreas que trabalham, ou já trabalharam na  indústria cinematográfica. Essas pessoas votam em cada categoria, os votos são contabilizados e  é registrado o vencedor, lindo né? Não. O problema é que as pessoas que trabalham com cinema não tem tempo de ir ao cinema. Pode parecer paradoxo mas é a mais pura verdade. Então os votos vão sempre para os amigos, para os filmes bons que eles conseguiram arranjar um tempo pra ver, ou para os longas e curtas que fizeram uma premier em Paris com tudo pago e champanhe caro à vontade.

Bom, mas o ano de 2010 foi só um exemplo, em 2012 não faltaram situações iguais, ou eu preciso realmente comentar o caso Muppets vs Rio? Ou até mesmo em 1976, quando Spilberg não foi indicado a melhor diretor por Tubarão, como o vídeo abaixo escancara a indignação do dono do E.T..

 

A única coisa que eu tenho a dizer é que é uma pena, um prêmio que tinha tudo pra dar certo, com o apoio de uma das maiores indústrias do planeta, acaba tropeçando nos méritos por conta dos egos. And the Oscar goes to…. hope, just hope.

2 respostas em “Ego Wars: A academia contra-ataca

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s