True Story, Bro


Você está no banco, em uma daquelas filas intermináveis, até que BAM, um homem entra armado e fala que vai explodir tudo se você não passar a grana. Forçado? É, um pouco, mas com certeza isso já aconteceu com algumas centenas de pessoas. E o que fazem quando histórias desse nível de inesperado acontecem? Simples, antes mesmo do ladrão de bancos terminar o assalto, na livraria mais próxima já está um Best-seller contando a história de um dos sobreviventes e como foi traumática toda essa situação, e virando à esquina, o cinema mais próximo já adaptou o tal livro com George Clooney no papel principal.

É fato, a cada ano dezenas de filmes e livros “baseados em fatos reais” são produzidos, trazendo à tona boas histórias ou não. O ponto é que estou aqui, caro leitor, pra falar de algumas dessas obras, que surpreendem por terem realmente acontecido.

Vou começar com um especial pra aqueles que gostam de musicais. Chicago, o filme que fala sobre a penitenciária feminina e os crimes cometidos pelas mulheres que ali habitam foi  inspirado numa acusação real de homicidio à duas mulheres, as protagonistas, que no filme são representadas por Renée Zellweger e Catherine Zeta-Jones. Aposto que na cadeia elas não cantavam como cantam no filme e no teatro (pros que não sabem o filme só foi lançado depois de uma grande adaptação na Brodway), mas é super valido imaginar que cantavam, haha.

Outro sensacional que tinha que entrar aqui só vai ser familiar para aqueles que são um pouco mais hardcore no mundo do cinema, ou que tiveram aulas sobre história do video, da comunicação e etc (que foi o meu caso). O filme é O Encouraçado de Potemkin. Mudo e sem cores, foi lançado em 1925 e acabou entrando pra história por ser o primeiro filme a usar cortes de câmera, mostrando a mesma cena de vários ângulos diferentes, dando novas interpretações e até mesmo despertando novos sentimentos para o cinema. A trama gira em torno de um grupo de marinheiros que russos que em 1905 se rebelam contra o governo Czarista. O longa de Sergei Eisenstein conseguiu mostrar que a técnica de cortes funciona basicamente com uma cena, conhecida como Odessa Steps“, ou em português algo como “os degraus de Odessa” que hoje é considerada uma das mais importantes da história… Essa aqui de baixo😉

O último longa que vou destacar aqui foi o que mais me surpreendeu por ter uma história real, que se relaciona com o Potemkin, mas eu explico logo embaixo. O filme é Anastásia. O fato é que quando a revolução russa aconteceu em 1917, Czar (aqui que se relaciona com o filme de cima) perdeu o poder, e não só ele, mas sua família inteira foi morta pelos Bolcheviques. E é aí que entra o filme, existe uma lenda urbana na Rússia que fala que Anastásia Nikolaevna Romanova, a filha mais nova de Czar, sobreviveu à revolução e é justamente nessa lenda que se inspira esse filme e uma outra versão live-action (com atores reais) de mesmo nome, que foi filmada em 1956.

Esses três são os que mais me impressionaram, mas existem váaarios muito muito bons,  como o premiado O Discurso do Rei, o curioso Aconteceu em Woodstock, e até mesmo já aconteceu de um trem com material radioativo ficar sem freios e invadir uma cidade no maior estilo Velocidade Máxima , dando origem à Imparável (2010) além do que já citamos de 127 horas. Falando nesse último, achei mais uma coisa surreal sobre a história do escalador, esquecido nas profundezas do youtube está um pedaço real do áudio de Aron Ralston, bom vou por aqui embaixo.

Por hoje é só pessoal, agradeço a visita, comentem, divulguem, e o mais importante, voltem sempre😉

Uma resposta em “True Story, Bro

  1. Pingback: Luz, Câmera y Buenos Aires | Vera com S

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s