Dica da semana: Machete


É, meus Veras, chegou a hora da dica da semana! E dessa vez muita gente vai achar ela um lixo… e é exatamente essa a ideia.

Os filmes trash se popularizaram nos Estados Unidos pela decadência não só do gênero “Terror”, mas também pelo baixo custo que eles levavam para serem feitos e exibidos. Só para se ter uma noção, alguns faziam sessões em que você podia assistir dois filmes seguidos por mais ou menos um dólar. Esses lugares que atraíam a zona pesada de Nova York e outras grandes cidades estadunidenses (e quando eu digo isso me refiro aos traficantes, prostitutas cafetões e etc…só gente boa), eram chamados de Grindhouses. E esse é nosso gancho.

Acontece que filmes trash começaram a surgir involuntariamente na virada do século XX para o XXI, filmes que eram pra provocar medo começaram a ser tão forçados e escancarados que geravam uma onda de risos na sala de cinema. Filmes como O Albergue (Hostel), produzido por Tarantino, são um ótimo exemplo disso. A solução? Chutar o balde!

Acontece que Tarantino já havia provado que tinha referências enormes no mundo trash/gore em Kill Bill, então por que não usar todos seus talentos nesse segmento sem disfarçar? Melhor que isso, por que não contratar um grande elenco para fazer esse tipo de filme? Foi então que Robert Rodriguez (Pequenos Espiões) e Quentin Tarantino (Pulp Fiction) se uniram num projeto de filmes gemêos com sessões especiais onde eles seriam exibidos juntos, mas sempre com um grande elenco. O nome do projeto? GrindHouse.

Desse projeto sairam dois filmes, e antes de cada um deles vinha um trailer de um filme fictício: O filme de Tarantino era The Death Proof (À Prova da Morte), e o trailer era de Hobo with a Shotgun. Rodriguez fez Planet Terror (Planeta Terror), e o trailer chamava-se Machete (esse aqui de baixo).

O fato é que o “trailer” fez muito sucesso, e os pedidos para que de fato saísse o filme não paravam. Foi quando Machete passou de 3 para 107 minutos.

O personagem de Danny Trejo não foi algo inédito em seus filmes, pois Machete já havia aparecido em pequenos espiões (sim, pasmem!)

Mas qual é a maldita história sobre Machete, Felipe? Ok, ok. Eu falo, mas hoje eu tinha que inserir vocês em todo esse contexto que é o que deixa o filme tão foda.

A história é bem simples até: Um ex-federal mexicano, homônio ao título, assiste à morte de sua esposa por um grande criminoso local, e decide se mudar para os Estados Unidos. Só que acontece uma pequena reviravolta, e ao chegar nos States é contratado para matar um senador que mata mexicanos na fronteira com o México. Mas na última hora Machete se vê numa emboscada… e jura vingança. Outros personagens secundários também aparecem na trama, como a filha do homem que o contratou, uma mexicana que trabalha na imigração, e She ( referência clara a Che), uma mexicana que luta pelos direitos de seus compatriotas em solo estadounidense. O filme só se diferencia de um trash qualquer pelo fato de que Danny Trejo interpreta Machete, Steven Segal o criminoso mexicano, o homem que o contrata é feito por Jeff Fahey, o senador é Robert De Niro, a filha de Fahey é interpretada por Lindsay Lohan, a fiscal de imigrantes por Jessica Alba e a compatriota por Michelle Rodriguez.

Ver esse elenco em cena é algo simplesmente fantástico, ainda mais com um roteiro desses. Mas Rodriguez não para por aí, ele usa no filme todo repertório visual que um bom filme trash pode ter (só para se ter uma noção, em uma das cenas Trejo usa as tripas de seus inimigos como cordas). Não é um filme que se deva ser levado a sério, mas também ele consegue te prender, desafiando você a descobrir o próximo truque que Machete usará (não que ele tenha que ter o minímo de lógica). Com granulados, manchas, linhas e sangue na tela, o filme consegue lhe trazer um grande tom de descontração e humor negro para relaxar naquela tarde em que você pegou trânsito e quer matar meia cidade.

O filme fez tanto sucesso que já conseguiu financiamento para sua continuação: Machete Kills, que deve entrar em fase de produção de roteiro nos próximos meses. Logo que algumas informações sairem, a gente posta aqui no Vera. Então prepare-se para o novo filme vendo Trejo usar de suas facas e frases de impacto, pois eu aposto que você nunca mais vai esquecer de “Machete don’t text” ou do vocativo que Segal usa para tratar os outros personagens (só pra atiçar, começa com P).

Não posso dizer muito mais que isso para o texto não virar spoiler, mas se tenho uma ultima dica, ela é: Não assista isso com sua mãe, algumas cenas podem chocar… sério.

Então é isso meus queridissímos, espero que tenham gostado e semana que vem tem mais😉

Uma resposta em “Dica da semana: Machete

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s